Fique por dentro das novidades

A maternidade, o câncer e a sobrecarga feminina no trabalho do cuidado.

Maternidade e câncer,  apesar de serem assuntos diferentes, carregam em si os desafios do trabalho do cuidado. Mães que tiveram que tratar ou acompanhar o tratamento de filhos diagnosticados com câncer enfrentam desafios dobrados, o diagnóstico transforma a relação da maternidade.

O trabalho da geração de uma vida implica em uma dedicação financeira, física, emocional e psíquica que, na maioria das vezes, é entregue às mulheres como sendo uma obrigação moral e um dom inato. De acordo com o último Censo Escolar, realizado pelo Conselho Nacional de Justiça,  há pelo menos 5,5 milhões de crianças brasileiras sem o nome do pai na certidão de nascimento.Em 2019, o índice aumentou para 5,9%, em 2020 para 6% e em 2021 subiu para 6,3%. Mesmo para as crianças com o nome do pai no registro civil, quantas ainda são majoritariamente cuidadas por mãe, avós ou tias? 

O que dizer então quando maternidade e câncer estão juntos!? Assuntos complexos que só quem viveu consegue falar com propriedade. A pesquisadora Ana Luísa Kenne entrevistou 10 mães que realizaram tratamento para o câncer, o estudo focou nos desafios das mães em comunicar sobre a doença para seus filhos. A pesquisa demonstrou que o diálogo favorece a relação mãe e filho e que falar sobre a doença contribui para uma mudança de perspectiva que a criança tenha em relação ao câncer.

Outro estudo, realizado pelas pesquisadoras Patrícia Luciana Moreira e Margareth Angelo, analisam os desafios das mães que enfrentam o diagnóstico de câncer dos seus filhos. A pesquisa chegou a conclusão que a  mãe assume a luta contra o câncer junto da criança e que portanto, ela também precisa de apoio médico e psicológico.

Em ambos estudos concluíram que a sobrecarga do cuidado se acumula na maternidade, não apenas em relação a fatores práticos do dia a dia, como acompanhamento a médicos, estadia em hospital, mas principalmente em relação a sobrecarga mental que envolve o medo da morte.

Neste dia, o Instituto Brasil + Social deseja que todas as mães possam receber mais valorização do importante papel que exercem. Que o trabalho de cuidado, executado majoritariamente pelas mulheres de forma gratuita, possa ser executado também pelos homens e pessoas que não são pais. Acreditamos que com a carga dividida, toda a sociedade  ganha e a maternidade se torna uma realidade mais leve.

Escrito por Mariana Queiroz Fernandes

Veja mais

Relação entre açúcar e câncer: é verdade que o açúcar alimenta o câncer?

Apesar dos carboidratos serem fonte de energia para as células de nosso corpo, sejam elas mutadas ou não, o consumo desses açúcares não promovem uma piora clínica da doença por si só.</

O consumo normal de açúcar não acelera a resposta da doença nem sua eliminação da dieta promove cura.

Os carboidratos são nutrientes importantes  que devem ser inclusos numa dieta balanceada junto a hábitos saudáveis e dependendo do grau e avanço da doença, as nossas necessidades energéticas são maiores e uma restrição de carboidratos no geral pode ser prejudicial ao tratamento devido ao maior risco de desnutrição.

Leia mais »

O que é saúde?

A saúde é multifatorial e mutável, ao longo da vida teremos momentos de maior bem estar e plena utilização das nossas faculdades físicas e mentais, momentos de adoecimentos e maiores limitações, independente do diagnóstico de doença que possamos receber ou da idade que temos.

Para ampliar essa visão trouxemos algumas informações baseadas nas recomendações e estudos da OMS e do Ministério da Saúde para você fazer a sua vida mais saudável

Leia mais »

Campanha Março Azul alerta para o câncer colorretal

O câncer colorretal é o segundo que mais mata no Brasil, atingindo mais de 40 mil pessoas por ano. Atualmente, a chance de uma pessoa desenvolver a doença é da ordem de 4,3%: sua incidência é mais comum entre homens e mulheres com mais de 45 anos ou em pessoas que tenham casos na família.

Leia mais »