Fique por dentro das novidades

Julho Verde e Julho Amarelo.

Assim como julho, os outros meses coloridos têm o objetivo de conscientizar a população sobre as doenças, promover campanhas sobre as causas importantes e aumentar doações para quem precisa.

Entre as campanhas mais conhecidas temos o Outubro Rosa e o Novembro Azul, e com a chegada do sétimo mês do ano, vem o Julho Verde e Amarelo, com campanhas destinadas às hepatites virais, o câncer ósseo e o câncer de cabeça e pescoço.

Hepatites Virais

Tais doenças representadas pelo Julho Amarelo, consistem numa inflamação que atinge o fígado – um órgão fundamental para o processo de desintoxicação do organismo. Um dos grandes desafios quando falamos das hepatites virais são seus sintomas, que costumam passar despercebidos até que a doença evolua para um quadro grave, por isso, é muito importante realizar exames frequentemente para confirmar que a saúde está em dia!

Alguns sintomas para prestar atenção:

  • Mal-estar;
  • Tontura;
  • Enjoo;
  • Vômitos;
  • Cansaço;
  • Febre;
  • Dores abdominais;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Urina escura;
  • E fezes claras.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são causadas pelos vírus da hepatite A, hepatite B e hepatite C. Porém, também existe o vírus da hepatite D, que é comum na região Norte do país, e o vírus da hepatite E, que é raro no Brasil – sendo encontrado na África e na Ásia. Essa doença causa aproximadamente 1,4 milhões de mortes a cada ano por infecção aguda, câncer hepático ou cirrose associada às hepatites em todo o mundo.

Atualmente, existem testes rápidos para a detecção da hepatite B ou hepatite C disponíveis no SUS para toda a população. É importante que todas as pessoas sejam testadas pelo menos uma vez na vida para esses tipos de hepatite, e quem está em situação de vulnerabilidade faça testes com maior frequência.

Além disso, existe vacina para a hepatite B disponível no SUS para toda a população – mesmo que essa infecção não tenha cura.

As formas de transmissão das hepatites virais variam de acordo com o vírus relacionado, podendo acontecer por meio da relação sexual sem preservativo, contato com sangue, secreções ou objetos cortantes contaminados e até mesmo por meio do consumo de água ou alimentos – o que pode resultar na hepatite A.

Por isso, para evitar todos os tipos de hepatites virais é importante adotar medidas de prevenção como tomar as vacinas, usar preservativo nas relações sexuais, não reutilizar materiais de uso único (como agulhas e outros materiais) e evitar consumir água e alimentos não tratados.

Câncer Ósseo

O Julho Amarelo também inclui a campanha de conscientização do câncer ósseo, que é um tumor que pode ser desenvolvido no tecido ósseo ou durante a metástase de outras células cancerosas em outros tecidos – como o câncer de mama, próstata ou pulmão.

Existem diversos tipos de câncer ósseo, mas os sintomas são muito parecidos. Os sintomas mais comuns são dor e inchaço nas articulações e fraturas nos ossos com muita facilidade e frequência.

O diagnóstico do câncer ósseo é feito por um ortopedista ou oncologista através de exames como o raio-X, ressonância magnética, tomografia computadorizada e biópsia óssea.

O tratamento para o câncer ósseo é indicado pelo médico responsável e depende do tipo, tamanho e local do tumor, mas pode ser feito através de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. Porém, quando a doença está em uma fase muito avançada, o tratamento mais comum se dá através de cuidados paliativos para garantir a qualidade de vida do paciente com o uso de medicamentos analgésicos que reduzem a dor e o desconforto da doença.

A doença representa menos de 1% de todos os cânceres, mas ainda é muito importante falar sobre a importância do diagnóstico precoce, uma vez que o câncer ósseo tem altas porcentagens de cura quando descoberto precocemente.

Câncer de Cabeça e Pescoço

O Julho Verde traz a campanha de conscientização do câncer de cabeça e pescoço, um tumor que pode ser desenvolvido na boca, nariz, laringe, faringe, seios da face, pele da face, pele do pescoço e pele do couro cabeludo.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), esse tipo de câncer representa a segunda maior incidência entre os homens e a grande maioria dos que são acometidos pela doença possuem mais de 60 anos. Em 2018, foram estimados 246 mil casos novos de cânceres de língua e cavidade oral mundialmente. Já em 2017, ocorreram 4.923 óbitos em homens e 1.372 óbitos em mulheres.

Os sintomas mais comuns são manchas brancas ou avermelhadas e feridas na boca, sangramentos que podem ocorrer na boca ou nariz, nódulos do pescoço, dor ou dificuldade para engolir ou respirar, dores persistentes de ouvido, garganta, cabeça, entre outros sintomas.

O diagnóstico da doença é feito por um otorrinolaringologista ou oncologista através de análise clínica e exames como o ultrassom, ressonância magnética, tomografia computadorizada e biópsia da lesão.

O tratamento é indicado pelo oncologista e depende de cada caso, mas pode ser feito através de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. Porém, o câncer de cabeça e pescoço tem altas chances de cura quando descoberto precocemente nos estágios iniciais da doença.

Esse é um mês VERDE e AMARELO!

A prevenção e o diagnóstico precoce são essenciais no combate dessas doenças, e por isso é importante conscientizar a população sobre como perceber essas doenças em sua fase inicial.

Não perca! No dia 15 de julho às 19 horas, faremos uma live no Instagram do @institutobms sobre hepatites virais com nosso convidado Dr. Roberto Focaccia – Médico Infectologista, Professor Livre Docente da FMUSP e Editor Científico do Tratado de Infectologia.

Continue acompanhando o nosso blog.

Veja mais

Julho Verde e Julho Amarelo.

Assim como julho, os outros meses coloridos têm o objetivo de conscientizar a população sobre as doenças, promover campanhas sobre as causas importantes e aumentar

Leia mais »

Junho Laranja: Alerta para Leucemia

Mês de conscientização sobre doenças ligadas ao sangue, em especial a leucemia, por meio do diagnóstico precoce. O tema torna-se ainda mais importante se considerado que não há prevenção primária ou rastreamento para o câncer infantil e que os fatores externos não são tão relevantes para o desenvolvimento da doença.
Em crianças e adolescentes, a maior parte dos casos é decorrente de alterações no DNA ainda na formação do embrião ou no início da vida, a chamada mutação genética adquirida.

Leia mais »

Relação entre açúcar e câncer: é verdade que o açúcar alimenta o câncer?

Apesar dos carboidratos serem fonte de energia para as células de nosso corpo, sejam elas mutadas ou não, o consumo desses açúcares não promovem uma piora clínica da doença por si só.</

O consumo normal de açúcar não acelera a resposta da doença nem sua eliminação da dieta promove cura.

Os carboidratos são nutrientes importantes  que devem ser inclusos numa dieta balanceada junto a hábitos saudáveis e dependendo do grau e avanço da doença, as nossas necessidades energéticas são maiores e uma restrição de carboidratos no geral pode ser prejudicial ao tratamento devido ao maior risco de desnutrição.

Leia mais »