Fique por dentro das novidades

Projeto Driblando o Câncer fecha parceria para doação de tatuagens para mulheres com cicatrizes irreversíveis

O projeto social We are diamonds da tatuadora internacional Karlla Mendes  acaba de fechar parceria com o Projeto Driblando o Câncer, do Instituto Brasil + Social, para  doação de  tatuagens para cobertura de cicatrizes de mulheres carentes, que sofreram queimaduras, violência doméstica ou cirurgias mal sucedidas

Acaba de desembarcar em São Paulo direto de Melbourne, na Austrália, a conceituada tatuadora brasileira Karlla Mendes, após dois anos ausente do país. Na bagagem, traz o Projeto We Are Diamonds, que oferece doações de tatuagens para cobertura de cicatrizes irreversíveis para mulheres carentes.

O Projeto We are diamonds recebeu a solidariedade e fechou parcerias com a ONG Projeto Bastê, que apoia mulheres que sofrem violência doméstica; o Projeto Driblando o Câncer, do Instituto Brasil + Social e a ONG GAMA – Grupo de Amparo Momento de Amar.

Todas essas instituições estão selecionando mulheres que serão beneficiadas com a doação de tattoos.

O projeto social já beneficiou mais de 150 mulheres no Brasil, Estados Unidos, Austrália, Irlanda e Portugal. Ela inaugurou a iniciativa no Brasil, em 2017, e resolveu ampliá-lo para outras partes do mundo. Nesta temporada, de volta ao país, quer atender a mulheres brasileiras carentes e com cicatrizes difíceis.

O foco do projeto é cobrir as cicatrizes do corpo e da alma das mulheres, que sofreram marcas provenientes de violência doméstica, queimaduras, cirurgias mal feitas, cesáreas com violência obstétrica entre outros casos.

Veia social

Karlla Mendes é especialista na JewerlyTattoo, a tatuagem que desenha joias e pedras preciosas no corpo das mulheres. Daí o sugestivo nome do projeto.

“Herdei do meu avô essa vontade de ajudar pessoas. E resolvi começar a doar meu trabalho quando a empregada doméstica de uma cliente me procurou, pediu que eu fizesse uma tatuagem que era o sonho da vida dela, mas não tinha recursos para pagar e que havia economizado R$ 200,00 de seu salário para poder fazer a tattoo. Compreendi naquele momento que minha arte e talento não poderiam ser dedicados apenas às clientes pagantes e resolvi iniciar esse projeto social”, conta Mendes.

Segundo Karlla, por meio do projeto ela devolve ao universo toda gratidão por ter alcançado muitas graças em sua vida. “Estou doando parte de minha arte e talento para amenizar a dor das mulheres, devolvendo-lhes a autoestima e a vontade de viver”.

Workshop

Sua expertise nesse tipo de cobertura é tão grande, que Karlla Mendes está criando um workshop dirigido a tatuadores onde ensina a técnica da cobertura de cicatrizes. O lançamento de seu workshop acontece dia 19 de março em Belo Horizonte em local a ser divulgado.

A tatuagem para cobrir cicatrizes precisa de técnica, tempo e experiência. Karlla tem um médico na equipe que avalia a cicatriz, o tipo de pele, o tempo de maturação da cicatriz. Somente então ela tatua com autorização do médico da paciente. Normalmente, esse tipo de trabalho costuma durar mais que um dia inteiro.

O Projeto We are Diamonds está se conectando a ONGs para selecionar20 mulheres que irão receber as doações nesta temporada de Karlla no Brasil. Após, ela volta para Austrália onde mantém seu estúdio de tatuagem, o StyloTattoo Melbourne. No Brasil, é fundadora da StylloTattoo, no Jardim São Paulo, Zona Norte da cidade.

Para inscrever-se no Projeto We are Diamond seguem os pré-requisitos :

1) A mulher precisa ter renda familiar abaixo de 2,5 salários mínimos;

2) Liberação médica;

3) Cicatriz decorrente de queimadura, cirurgia mal sucedida, violência doméstica;

4) Concordar em contar a sua trajetória de vida em contar sua trajetória de vida e expor fotos e vídeos para incentivar outras mulheres;

Enviar e-mail contando sua história com fotos e/ou vídeos para contato@institutobrasilsocial.org.br.

Veja mais

Relação entre açúcar e câncer: é verdade que o açúcar alimenta o câncer?

Apesar dos carboidratos serem fonte de energia para as células de nosso corpo, sejam elas mutadas ou não, o consumo desses açúcares não promovem uma piora clínica da doença por si só.</

O consumo normal de açúcar não acelera a resposta da doença nem sua eliminação da dieta promove cura.

Os carboidratos são nutrientes importantes  que devem ser inclusos numa dieta balanceada junto a hábitos saudáveis e dependendo do grau e avanço da doença, as nossas necessidades energéticas são maiores e uma restrição de carboidratos no geral pode ser prejudicial ao tratamento devido ao maior risco de desnutrição.

Leia mais »

O que é saúde?

A saúde é multifatorial e mutável, ao longo da vida teremos momentos de maior bem estar e plena utilização das nossas faculdades físicas e mentais, momentos de adoecimentos e maiores limitações, independente do diagnóstico de doença que possamos receber ou da idade que temos.

Para ampliar essa visão trouxemos algumas informações baseadas nas recomendações e estudos da OMS e do Ministério da Saúde para você fazer a sua vida mais saudável

Leia mais »

Campanha Março Azul alerta para o câncer colorretal

O câncer colorretal é o segundo que mais mata no Brasil, atingindo mais de 40 mil pessoas por ano. Atualmente, a chance de uma pessoa desenvolver a doença é da ordem de 4,3%: sua incidência é mais comum entre homens e mulheres com mais de 45 anos ou em pessoas que tenham casos na família.

Leia mais »